segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Garotas no Vocal: The Kills

Na quinta dia(21), rolou The Kills no Rock in Rio, apesar de não ser tema do blog, o festival em si, a atração já é velha conhecida do blog e hj resolvi fazer um textinho sobre essa banda que foi das poucas que representou a presença feminina nesse Festival. 

Apesar de muitos anos de estrada (começo dos anos 2000) não tem tanto destaque assim dentro da midia, mais no meio alternativo mesmo, e foi ate surpresa ver eles no festival, apesar de nem chegarem a tocar em um palco principal, o que não tira o mérito de uma das bandas mais legais do meio alternativo e respeitada tbm por quem curte o bom rock n roll com pegada no passado mas bem atual, porque nem só de passado se vive a musica hoje em dia, por mais que muitos artistas se prendam na velha forma de fazer musica, o The Kills mostra experimentar e ter uma personalidade e sua propria formula de fazer musica.



The Kills é uma banda Britânica, formada pelo duo, Alison Mosshart no vocal e guitarra e Jamie Hince (Marido da super modelo Kate Moss) que canta tbm, toca guitarra e bateria. 

Ambos antes do THE KILLS,  possuiam bandas distintas e através de correspondências (naquela época as redes sociais não era tão popular ahahah)

Fizeram contatos e enviaram Gravações um para o outro. Ate Alison se juntar a Hince em Londres participaram de algumas copilações musicais alternativa  antes de lançarem o primeiro ep e logo foram comparados a sensação do rock daquela época que era o The White Stripes (banda ao qual ate hoje o The Kills é comparada e considerada banda irmã, se é que isso existe jajajja enfim, né a popularidade do TWS ajudou a alavancar a carreira dele inicialmente) 

Pra a capa do primeiro ep entitulado " Black Rooster Ep" foram feitas fotos 3x4 que os Próprios integrantes fizeram, tudo bem pessoal, mesmo e sem muita produção.




Desde o começo da carreira sempre foram uma banda de garage rock, anti-industria musical e raramente deram entrevistas ou mostraram suas vidas publicamente até no palco são bem contidos quando o assunto é interação com o publico o que foi surpresa ver a Alison interagindo bem com o publico brasileiro no festival Rock In Rio.

Pra quem ainda não conhece e quer sacar mais deles, recomendo o disco " Blood Pressures" que posso considerar a obra definitiva deles e essencial com algumas das canções mais marcantes da carreira da banda. Recentemente a banda está em tour do ultimo disco de 2016, "Ash & Ice" que inclusive foi parte do repertorio no show apresentado no RIR.

A banda tem como principais influências e que acho que vale citar: Patti Smith,  the fall e Suicide.

Alison também já fez participações em canções da banda Placebos ( Meds) e agora no novo disco do Foo Fighters, além de ser vocalista da tbm banda alternativa The Dead Weather ao lado de Jack White.

The Kills é uma banda em atividade que promete ainda trazer muito som  bom pra gente :D







quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Feminismo, Opinião e os Discursos nas Redes Sociais

Ando cada vez mais desanimada em discutir sobre feminismo, ainda mais em rede social ( pense na dor de cabeça) motivos pelo qual ando escrevendo e lendo cada vez menos e vendo besteira e memes cada vez mais.

Quando a gente discuti sobre qualquer assunto que envolva "movimento/causa social" nos é cobrado saber de tudo de antemão. Hoje em dia mais ainda, todo mundo tem sua causa, sua militância e deseja que você saiba tudo sobre, o que nem sempre é possível. Raras vezes alguém me explicou sua causa, antes de dar aquela bronca e me acusar seja lá o que for, por se sentir ofendido por eu não conhecer sobre ou estar por dentro do assunto. Deixando claro que sempre respeito qualquer luta.



Sempre tratei de feminismo aqui no blog, foi o assunto que fez eu criar ele, a necessidade de falar sobre coisas que naquela época eu não achava tão facilmente, não via discussões além dos livros que também não chegavam fácil e era preciso ter uma noção sobre para procurar e desse livro tu ia atrás de outro e outros e assim por diante e alguns fóruns de internet bem restritos e acadêmicos.

A internet facilitou muito coisa e sou bem grata a isso, mas também criou muita confusão ( não espero que isso se solucione porque é impossível com tamanha proporção),foram colocando tantos achismo sem base teorica ou histórica que ficou insustentavel discutir alguns assuntos.

Parei mais o blog quando percebi que estava sendo muito repetitiva, especialmente na pagina do facebook.

Era sempre as mesmas bandas, cantoras, pautas feministas, filmes e indicações. Meio que enjoei. 

Me era cobrado falar de outros assuntos, outros estilos musicais. E foi ai que vi que pra mim não tava dando mais. Tava se tornando algo que talvez nem era mais só sobre o que eu queria mostrar, sabia ou só sobre o que eu conhecia, era também sobre os outros(não que seja ruim, pois descobri e aprendi muito com leitores, comentários e indicações da galera e espero que continue assim) mesmo com o blog tão parado recebo muita coisa ainda 💙

Hoje passado um bom tempo pretendo voltar a escrever aqui mais vezes e menos vezes no meu facebook pessoal, sobre assuntos relacionados a feminismo e política, especialmente.

Aqui posso falar do que me identifico e do tipo de feminismo que eu quero, acredito e entendo. Sem a necessidade e a extrema cobrança de conhecer todas as vertentes que tem, e sempre teve e tem surgido. Acho todos válidos desde que exista uma coerência.

Acho que no fundo é tudo questão de identificação, quem continuará a companhar aqui será por identificação e empatia. Não vou me explanar para além do que eu sei e me interesso, já não sinto essa necessidade de ser tão ampla como eu sentia em 2014 e que fez eu praticamente abandonar aqui.
Hoje, ainda bem, existem tantas páginas e blogs que falem tão bem de assuntos mais complexos do feminismo e adjacentes.

E é isso, o blog continuará mais dentro do que eu posso fazer e gosto, além de outros assuntos não ligados que eu acho interessante e tenha a ver com isso aqui e com que já foi feito dentro do blog. Sem pretensão de estar certa ou ser a opinião final, também.



Na verdade, eu acredito que conhecimento e opinião nunca é totalmente polida. Eles sempre estão em evolução constante segundo nossas vivências pessoais ou não. Nunca entro numa discussão achando que estou totalmente certa ou minha opinião está formada.

Aprendemos com o ponto de vista do outro, mas percebo muito que existe um grande "duelo". As pessoas nem sempre estão ali para falar e ouvir, analisar e Até mudar de opinião, na maioria das vezes vira um ataque por ataque e assim morre qualquer vontade, pelo menos minha de debater.

Perde o sentido discuti com alguém que só quer impor seu ponto de vista. Hoje prefiro ver as discussões, ver os vários pontos de vista, os vários lados de forma anônima do que entrar na discussão e saber que não passará de uma "briga" de internet que na maioria das vezes a pessoas do outro lado só está interessada em sair como "politicamente correto" e arrecadar vários likes( sim, é fácil perceber o tipo de discurso que só existe essa intenção) aquela pessoa que ate pouco tempo fazia um discurso, agora faz outro ou invalidar se pontode vista porque você não é isso ou aquilo.

A hipocrisia existe, ninguém tá livre, mas sejamos coerentes e tenhamos memória.  

E especialmente, tenhamos noção de admitir e pedir desculpas por nossos erros, ainda mais nós que construimos um feminismo plural, que esse feminismo seja coerente. 

Pra mim a sororidade feminina nasce assim. não adianta cobra empatia por todas as mulheres se você atacou uma no passado e hj defende essa causa, mas parece ter amnesia das suas atitudes "adolescentes" e nunca se desculpou pelas lambanças passadas, além de evoluir e entender o ponto de vista do outro com respeito. É muito fácil hoje falar discursos bem embasado mas que não passa disso.

Não sinto a necessidade de discutir mais com gente assim e especialmente me explicar por expor situações assim.

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Opinião: A Violência Contra Mulher e o Feminismo








Hoje bem cedo, acordei e fui ver tv, e o tempo de 30 minutos que passei na frente da tv mostrou dois casos de violência à mulher: o primeiro foi caso da menina que sofreu abuso sexual por mais de 30 caras e depois de uma moça que foi joga de uma altura de 10 metros, apos sofrer agressão do namorado. 

Todos os dias se você assiste jornal é sempre a mesma chamada: agressão/morte/violência de alguma mulher. Pare um momento do seu dia, ou nem é preciso tanto pra ver esses casos. Um telejornal que mostra isso diariamente é o cidade alerta, assiste pra ver o numero de casos passionais.

Fiquei meio sentida vendo sobre esses casos e vim olhar a internet e aqui as coisas não mudaram muito em termo de ataque e agressão a mulher. 




Muito se tem falando do caso da agressão sofrida pela atriz, Amber Heard. Que foi agredida (poderia ser supostamente, mas existem provas e denuncia o que já entrega a culpa do acusado) Que mesmo com toda a situação exposta, precisa de mais que marcas de agressão, a super exposição e a denuncia para as pessoas acreditem nela. Mesmo uma atriz bem sucedida e promissora como ela sofre esse tipo de coisa.

De um lado ela e as provas e do outro apenas o silêncio do acusado, Johnny Depp e pessoas do meio familiar defendendo ele. Como se todos os agressores também não fosse bons pais, filhos e irmãos... 

De um lado as provas e registros da agressão e do outro apenas uma longa carreira e fãs de um ator.

 Percebemos que o fanatismo chega a cegar e que as pessoas confundem personagem e o ser humano real. Por que a mulher sempre tem de provar ate o ultimo momento que tá com a verdade e ele só precisa de fãs e a carreira dele e nada mais pra ser inocente? 

Por outro lado, acompanhando o outro caso da menina e os 30 caras, vi nas noticias que mesmo com provas gravadas, ainda assim o delegado acha que a culpa é dela. 



Por mais que a menina tenha envolvimento com drogas ou com o crime, nada justifica tamanha barbárie. E o caso dela serve para ilustrar vários tipos de violências que acontecem todos os dias com outras vitimas anônimas que não tem tanta visibilidade. Dá pra compreender o porque esse caso merece visibilidade e solução, o porque é necessário discutir violência contra a mulher? O porquê é necessário desconstruir o machismo?

 Machismo mata todo dia! Esse caso não é mais e nem menos importante que outros, ele apenas ilustras outra vários casos diários de abuso e violência. Talvez isso não entre muito na cabeça de algumas pessoas que acham que pela midia ta focando só esse caso, só esse é importante. 

E para piorar tudo, vendo a entrevista dessa moça é ver que nem a própria vitima acredita em justiça ou na solução do caso. Eu sempre defendi e estudei as ideias feministas, mas nunca em toda minha vida me senti na obrigação de usar esse termo ao me definir em uma conversa com alguém e me posicionar de fato como Feminista. mas a cada dia eu vejo a importância que o feminismo se faz na minha vida e na vida de tantas pessoas que não se calam e reclamam seja sendo contra aqueles post idiotas que sempre tem nas redes sociais ou em sites que tentam isentar os culpados. Mulheres que postam texto que nos dão a  visibilidade do problema e mostram soluções ou melhoras do problema.




Por que sempre a mulher leva a culpa? Eu acredito que esses casos servem para que nós tenhamos mais união e força dentro de um movimento de ideias feministas ou de genero, para que novas mulheres venham somar e procurar entender ao invés de se posicionar contra o que nem conhecem de fato! Se você nasce mulher, você já é feminista... é estranho você não lutar pelos seus próprios direitos e sua sobrevivência. Eu só espero que estes casos abram os olhos das pessoas.

Eu precisei escrever esse texto pra tirar esse peso de reflexão desse dia. Eu acredito que tudo que eu aprendi e estudei, os anos de grupo de estudos, leituras, rodas de conversas serviram pra alguma coisa e vão servir ainda mais na minha vida e de pessoas que convivem comigo. Eu acredito que as próximas gerações terão um lugar melhor pra viverem, assim como muito se melhorou desde que feminismo começou a ser discutido e começou a haver a desconstrução do machismo. 

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Curiosidades sobre Jason: Sexta-Feira 13



Sexta-feira 13 é uma franquia de filmes de terror com mais de 12 filmes, desde os anos 80, que popularizou seu principal personagem Jason, como ícone da cultura popular (quem não reconhece aquela mascara estampada em camisetas, chaveiros e etc?). E hoje como é sexta 13, dia oficial do azar, sim! Mas que remete também a franquia de filmes! E melhor que falar de azar é falar de filmes de terror que fizeram parte da nossa infância/adolescência e imaginário ao longo dos anos :) 

Dai, o blog resolveu lembrar alguns momentos e curiosidades sobre esse personagem tão amado pelos fãs de terror/gore e muito temido também ahahhahahahh




1- Jason Voorhees nasceu em 24 de Março de 1975. Apareceu, brevemente pela primeira vez no filme Friday the 13th de 1980, como o único filho da senhora Voorhees, uma cozinheira assassina que trabalha num campo de férias em Crystal Lake. 

2- Ele teria se afogado em 13 de junho de 1958, em Crystal Lake, por negligência dos monitores que cuidavam do acampamento feito ao redor do lago.  Jason então voltou dos mortos, tempos depois para vingar a morte de sua mãe.




3- Como deve-se imaginar a única pessoa que Jason já chegou a amar é sua mãe, Pamela Voorhees. Após ser decapitada, Jason guarda a sua cabeça em seu barraco.

4- Jason Voorhees já foi protagonista em várias revistas de humor, referenciado em vários filmes, parodiado em programas de televisão, inspiração para canções de bandas de rock e para a criação de  bandas e musicas de horror punk.




5- A característica do personagem é a utilização de uma máscara de hóquei para ocultar o rosto.

6- O maníaco ressuscitou mais seis vezes, as mais memoráveis são no espaço (Jason X) e pelo inimigo Freddy Krueger ("Freddy vs. Jason").




7- Jason raramente falou ao longo de seus filmes. Apenas no 9º filme, Jason diz  uma única palavra em toda sua vida. Ao se ver cercado pela polícia, ele diz: "Hã?", antes de ser baleado. Porém no final do filme, quando está possuindo o corpo de um policial, ele diz uma frase a Jessica : " Hey Jessica, solte a adaga. " porém já em outro corpo ;)




8- É revelado dois modos de "matar" Jason. O primeiro (de Jason Lives: Friday the 13th Part VI) é "matar" Jason do mesmo modo e no mesmo lugar onde morreu originalmente (ser afogado no Lago Cristal). O segundo (de Jason Goes to Hell: The Final Friday) é destruir seu coração, o qual é habitado por uma criatura que tem a aparência de um verme gigante (que aparece na capa do filme) que só pode ser destruído por pessoas que tem o mesmo sangue de Jason.

9- Jason praticamente é mais forte do que todos os assassinos famosos.




10- Jason, na maioria das vezes, mata suas vítimas com facas ou machados. Mas, algumas vezes, ele prefere usar suas próprias mãos para esmagar suas presas. Em alguns casos Jason dá em suas vítimas um abraço de urso tão forte que as quebra ao meio.


11- Matou 285 pessoas, sem contar as pessoas da estação espacial Solaris em Jason X. Levou cerca de 435 tiros, foi esfaqueado 106 vezes, cortado muitas vezes por Freddy Krueger, levou 20 machadadas




12- No seriado Todo Mundo Odeia o Chris ele aparece no sonho de Chris perguntando onde fica a mata mais próxima. Porém como Chris estava usando suas meias da sorte e ser Quinta-feira 12, Jason não lhe faz nenhum mal.

13-A História de Jason Será Contada em uma serie de tv baseada em Sexta Feira 13! O anúncio foi feito no já conhecido site de notícias Deadline, em entrevista com o diretor Sean S. Cunningham. ele disse:

“Jason Voorhees é um sinônimo do gênero de terror e planejamos fazer uma série sobre todo o seu legado com uma tomada provocante e atraente que se expande sobre as histórias que já aterrorizaram milhões de pessoas no mundo inteiro."

Vamos aguardar pra ver mais uma vez o Jason em ação e espero que não demore :)










segunda-feira, 9 de maio de 2016

.Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa.: As Mulheres no Heavy Metal – Parte 3 (Década de 20...

.Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa.: As Mulheres no Heavy Metal – Parte 3 (Década de 20...: A década de 2000 começou com duas tendências fortes no Heavy Metal: uma linha revivalista dos sons dos anos 80 (Hard e Metal Tradicional) ...

.Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa.: As Mulheres no Heavy Metal – Parte 2 (Década de 19...

.Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa.: As Mulheres no Heavy Metal – Parte 2 (Década de 19...: Na sociedade, atributos femininos são rotulados como: "suave ou fraco", introvertido, carinhoso, misterioso, emocional, dependen...

Teorias e Interpretações: I Follor Rivers - Lykke Li

Resolvi criar no blog uma parte pra falar sobre teorias que crio nesses devaneios da vida, seja sobre o que for, ate p dar uma vida no blog. Ele foi criado inicialmente p falar de musica e bandas femininas mas acabou passando os anos e hj temos muitos blogs assim e fui perdendo a vontade de postar. As vezes bate a inspiração de coisas que não tem nada a ver com nada, mas eu gosto tanto que tinha de dar alguma finalidade, uai.  :)


Pra começar resolvi usar essa teoria sobre a musica da Lykke Li, uma cantora que basicamente eu não ouço e não conheço além dessa musica. Mas numa dessas madrugadas da vida vendo videos com amigos no aleatória no youtube apareceu essa musica e prendeu muito a minha atenção para as cenas do videoclipe em si, como estudante de Filosofia analisei e criei minhas ideias. dei uma pesquisadinha sobre a musica e foi dito o seguinte sobre a musica e que também achei relevante observar aqui pq são boas interpretações do vídeo e musica em si:

"A música fala sobre uma mulher que considera o homem que ela ama como se fosse tudo para ela e por isso ela quer que ele 'seja somente dela' e pra ficar com ele, ela é capaz de segui-lo para qualquer lugar que ele for." ou coisas mais sombrias como "ela seria a morte, pois ele está claramente fugindo dela e ele fica realmente triste quando eles se encontram. Ele está cansado e ele não quer beija-la, e o olhar dela no fim do clipe mostra como é um beijo falso", tbm veem a personagem que traja negro como um vampira sugadora:

"Eu achei este clipe com vários significados... por que falar de amor e estar de preto? e com o rosto coberto ... poderia estar trajada com outra roupa e com outra tonalidade... e no fim, ele fugindo dela e sem falar do olhar dela no final do clipe... achei bem assustador... deve ter algum outro significado este clipe... tenho certeza... achei ela com aparência de vampira ou algo assim... muito estranho..".

Questões de feminismo: "Li também que, como o ator tem traços de aparência do oriente médio, representaria, já que Lykke Li está vestida numa roupa que lembra a burca muçulmana, o atraso masculino por estes repreenderem as mulheres."

Também criei minha teoria sobre e que não é tão diferente das outras mas é meu ponto de vista:

O ambiente que é retratado no video é um lugar frio e de difícil acesso e caminhar. Como se fosse os obstáculos que as pessoas enfrentam ao longo de uma jornada do que elas tanto querem e perseguem.


O personagem masculino segue o caminho dele como se fugisse de alguma coisa ou alguém, isso é retratado pela figura obscura da cantora que inicialmente observa ele de longe. Com o passar ela vai enfrentando a tempestade de neve mas persegue ele constantemente, apesar disso. Ele com aparência cansada e assustada ao longo de todo o video que revela um certo desconforto com a presença dela.

Ela aos pouco se revela com a aparência obstinada do que ela quer e esta perseguindo e ele corre na floresta e pelos obstáculos que vão aparecendo. E ela o persegue mesmo assim, mesmo, sofrendo também com essa perseguição ou ate mais que ele, que é demonstrada quando ela corre descalça.


ela tá se machucando ao perseguir ele, o seu objetivo, mas custe o que custar ela continua. Apesar de todos os problemas que ela ultrapassa ao longo dessa jornada dificil, ela chega num lugar limpo onde vence ele pelo cansaço. A aparência dele não é das mais felizes, ela espera ele cair para finalmente ter ele para ela. E por fim quando se beijam o olhar dela é um olhar de cinismo, ou seja não é algo bom.

acredito que as vezes queremos coisas na vida e usamos vários meio p conseguir e perseguimos aquele objetivo, seja pessoas ou coisas e nem sempre vencemos ganhamos é claro! Mas quando existe uma obsessão ruim você é capaz de perseguir isso e ganhara de uma forma ou de outra, mesmo que isso não esteja de fato ligado a sua felicidade ou a da coisa/pessoa em si que você tanto persegue.


Pode ser que você esteja interferindo no seu caminho  e no caminho dela de forma ruim. O que torna as coisas muito pesadas, ja que existem pessoas que acreditam que por gostarem de alguém devem perseguir elas, seguir ate conseguir, mas isso as tornam pessoas vampiras, obscuras e possessivas que vão vencer o outro no cansaço e muitas vezes quando você não quer mais estar com alguém é enfrentar uma batalha para a manter afastada, porque existem pessoas que simplesmente não sabem lidar com a perda e um novo começo. São presas ao passado.


A forma mais fácil para você pode ser desistir de si para ficar e aceitar essa imposição agressiva e forçada por algum motivo. creio que muitas relação são levas na base do empurração e mesmo as pessoas não estado felizes elas se forçam a isso por algum motivo delas, mas esse nunca sera o caminho de felicidade ou com um bom final.

Acredito que por mais que você ame alguém deve deixar ela trilhar seu próprio caminho e você o seu. Isso ta ligado a felicidade de ambos, ou andam juntos ou cada um seu caminho. Seguir alguém nunca parece um caminho ou destino bom.






E ai qual a interpretação de vcs?


link dos textos usados como base:

http://nadandoemlivros.blogspot.com.br/2013/03/critica-musical-i-follow-rivers-lykke-li.html
 http://ameixacult.blogspot.com.br/2011/05/lykke-li-e-poesia.html

quarta-feira, 4 de março de 2015

Banda Devotos é Atração do Festival Quebramar



Esse ano não vai ter noite do metal, mas o Punk/Hardcore vai estar presente mais uma vez no Festival Quebramar , que comemora sua 07 Edição. E como sempre o festival não decepciona aos ouvintes de Punk/Hardcore e amantes da roda de pogo.



Depois de Ratos de Porão, Mukeka di Rato, Leptospirose e Ação Direta é a vez dos pernambucanos do Devotos, mandarem uma porrada sonora no quinto dia de Festival, Sábado(07).

Devotos é uma banda com muito chão no cenário nacional, bastante conhecida dentro da cena underground, já que são mais de 25 anos de história, foi formada em 1988, como "Devotos do Odio", no inicio dos anos 2000 foi abreviado para "Devotos" o que não mudou em nada o som "sangue nos olhos" da banda.

Uma das bandas precursoras  da cena punk no estado do Pernambuco, que na época era dominado pelos ritmos tradicionais,  Axé e o Manguebeat (ritmo esse que também serviu de influência para a banda), optaram por um som legitimo de punk/Harcore cru e ao longo desses anos nunca abandonaram essa ideia, além de manter o tema já conhecido no punk do “Faça Você Mesmo” presente tanto nas musicas como em suas ações sociais. Com álbuns 8 lançados e um livro biografico, é a vez de Macapá conhecer e ver de perto o show dos caras.


Como bem define a banda, Evanildo Barbosa (coordenador geral da ONG Fase) no site da banda : “ Seja nos berros urgentes de Cannibal(vocal), na guitarra criativa do Professor Pardal Neilton (o cara que fabrica seus próprio Amps, instrumentos) ou na batida seca de Celo, o Devotos tem a manha de transformar o punk-rock-hardcore em algo legitimamente brasileiro. Ainda que tenham suprimido o "ódio" do nome, a fúria contra todas as injustiças que cercam as periferias do país continua ali, plácida, latente, vertiginosa, intacta.

É complicado pensar no Devotos apenas como uma banda, pois eles são mais do que isso. São agentes sociais dentro de um grupo social que visa construir algo menos abstrato do que "apenas" música: algo como levar educação e cidadania aos desprovidos de tudo, sobretudo de informação. Para nossa sorte, eles também fazem música. Um show do Devotos é uma experiência única, arrebatadora. Caso já tenha ido, fechará os olhos e será transportado imediatamente para as rodas-de-pogo abertas nas apresentações deles."

      O Festival Quebramar​ já começou, quem quiser ficar por dentro da programação, só entrar no link: http://festivalquebramar.com/programacao/

 Fonte de citação: http://www.devotos.com.br/release.html   

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Entrevista - Esgoto Surfers



Foto: Divulgação

ANARCOLITICO- Falem sobre a formação da banda. Como surgiu e membros.

Samara- No começo era o Lucas, o Benison e a Jade que era outra vocalista e o Lenine. Depois o Lenine saiu e  me chamaram para cantar no vocal junto com a Jade, dai ficou nós duas no vocal e depois entrou o Panda. Depois saiu a Jade por motivos  que segundo ela seria porque estava cheia de coisa e tals. Ela tinha que dedicar-se as outras coisas na vida dela e teve que sair da banda. Agora entrou o Benison no vocal, ele era nosso batera, passou a cantar comigo  e  entrou o Buxexa que foi para o baixo, nosso antigo baixista foi para a bateriaenfim, mudou  praticamente toda a formação dentro da banda. (risos)

 A Esgoto Surfers começou à uns 4 meses atrás. No final de junho  a gente conversou e formamos a banda, tem uns 4 ou 5 meses.
Moedor Fest II

ANARCOLITICO- Vocês já tem material gravado?

Samara-  Já! Gravamos recentemente uma demo, trouxemos pra vender  para a galera daqui! A demo foi gravada só com os oito sons que temos  para divulgar  o som. O interessante para a gente agora é divulgar o som  para o máximo de pessoas possíveis! Essa é a proposta da demo.

 ANARCOLITICO- Qual a temática abordada por vocês nas primeiras musicas que estão na demo? E quem compõe?
Samara- Gostamos de abordar temas políticos, temas cotidianos como o feminismo,  maltrato aos animais,  temos uma musica chamada "Atirar" que fala sobre a  criminalidade, temos criticas também sobre a religião, sobre o sistema político, sobre preconceito, sobre várias coisas! E a violência contra a mulher, temos uma musica chamada "Covarde" que fala sobre isso.

Todo mundo da banda contribui  um pouco, mas  quem escreveu a maior parte das músicas foi o Lucas que é o guitarrista, eu cheguei a escrever uma e o Benison escreveu outras, também! E assim tá indo... todos nós contribuímos.

Moedor Fest II

ANARCOLITICO- Como tem sido a recepção do público com vcs?

Samara- Como a banda começou faz pouco tempo, nos apresentamos em poucos lugares. Tocamos em uns quatro lugares. Duas vezes na Veg Casa, uma em Mosquero, uma em Icoraci, e agora aqui, 5 vezes. E no Heavy Bar, 6 vezes!


Benison- Geralmente a galera curte o som. Só tem uma musica nossa chamada  "matança de animais"  que na musica falamos sobre maltrato aos animais e ae uma galera  achou polêmico porque nem todo mundo da banda era vegetariano  e achava que a letra falava de vegetarianismo, quando na verdade ela não fala de vegetarianismo em si, ela fala sobre maltratos  de animais, o foco seria a libertação animal,  não que pra chegar a libertação animal seria obrigatóriamente ser vegetariano. Não é bem por ae!

Quem escreveu a letra foi o Lucas que não é vegetariano, mas, eu e a Samara, somos vegetarianos  e adotamos essa postura. A idéia da musica é ser contra o maltratos aos animaisindepedente  da maneira de se alimentar de cada um.  Enfim, gerou uma polêmica inicial, mas já foi superada!

Moedor Fest II

ANARCOLITICO- Deixem uma mensagem ao público de Macapá, em especial quem veio prestigiar vocês no Moedor Fest e na CAFÉ.

Benison-  Sobre o show de hoje, só temos uma palavra para descrever: insanidade!!!!
 
Samara- Foi maravilhoso e acho que até hoje, foi o nosso melhor show! Espero que tenham melhores ainda e espero que voltemos a tocar aqui. Muito legal tocar para o público amapaense, galera bem animada! (risos)

Foto: Divulgação
 BandCamp pra quem quiser apenas ouvir ou baixar o som:https://esgotosurfers2014.bandcamp.com/album/esgoto-surfers

 Esgoto Surfers no Facebook: https://www.facebook.com/EsgotoSurfers

domingo, 26 de outubro de 2014

Entrevista - Fora Parte (PA)

Fora Parte no Moedor Fest II/ 2014 foto: Lucas Monte


ANARCOLITICO:  Quem é a Fora Parte e como surgiu?

Felipe Martins:  Eu sou o felipe!

Raiony: Eu sou Raiony, batera da banda!

Felipe: Eu formei a banda junto com o Vitor, nosso antigo baixista, em 2009, inicialmente era um Power trio. Eu,  Raiony e o Vitor, só que tivemos a necessidade de mais um vocal na banda, mesmo porque eu não gostava muito de ser vocalista, eu ficava muito parado então decidimos chamar o Alan, que ia em todos os ensaios, sabia todas as musicas, e tava muito afim de entrar na banda. Ele entrou e desde ai estamos com essa formação, o Vitor teve de sair recentemente e no momento estamos novamente como um trio, sem baixista.

ANARCOLITICO: Vocês pretendem encontrar um novo baixista?

Felipe: Pretendemos,  mas  se não aparecer nenhum, vamos continuar assim, mesmo! Porque priorizamos muito  a amizade dentro da banda. São muitos anos de amizade e banda e o cara saiu assim... Se for pra colocar alguém que não dê certo, é melhor só nos três.



ANARCOLITICO: Sobre demos e discos. Vocês já lançaram algum material nesses anos de banda?


Felipe: Em 2010, gravamos  uma demo que se chama: "Rataria, Com Açai e Farinha"(2010),  que trouxemos para divulgar aqui no evento(Moedor Fest II). Foi gravado de uma maneira muito tosca (risos).

Raiony: Gravamos um ensaio para ouvir como ficava o som da banda e ficou melhor do que a gente imaginava!

Felipe: ficou bacana e decidimos divulgar assim mesmo e recentemente gravamos material novo que se chama "Sem Fé, Sem Lei, Sem Rei". Gravamos no final do ano passado e inicio desse ano, ainda não temos previsão para o lançamento, estamos vendo ainda... mas já tem no BandCamp da Fora Parte algumas musicas para ouvir. Pretendemos lançar em formato disco/cd. Só falta finalizar a parte de arte, já tem selo e tudo, mas falta a arte que era o nosso antigo baixista que tava fazendo...


Atual Formação da banda: Raiony, Felipe e Alan      foto: divulgação

ANARCOLITICO: Qual os temas mais comuns abordados nas letras da Fora Parte ou que vocês mais gostam?

Felipe: Nós fomos muito por fase, pois começamos quando éramos adolescentes, tínhamos uma fase meio rebelde, aquele lance de adolescência, então, fazíamos uma letra meio politizada, como "Ana Júlia" que falávamos sobre a antiga governadora de Belém ou uma mais zuera como "Ratariacore" que fala da galera que bebia e andava de skate com a gente, enfim! Fomos crescendo, amadurencendo e hoje em dia fazemos musicas  mais reflexivas. A respeito do cotidiano, do nosso ser, como agimos no dia-dia , nem criticando, mas nem sendo imparcial.

Raiony: Sempre rola um sarcasmo! (risos)

Felipe: A nossa opinião, com um tom sarcástico, nunca deixamos deixamos isso de lado, a irônia! Enfim, como a musica " Tudo tem seu preço" que fala das coisas que é impostas pra nós e tudo tem um preço, que a gente vai ter de pagar, tudo que a gente faz, do jeito que a gente se portar, tudo tem um preço e seremos julgados por alguma coisa, sempre,! Nessa letra diz que não devemos nos importar com isso, mas ser nós mesmos e foda-se! E também tem a "Faça Por Você", que diz para fazermos o que der na telha e foda-se o que os outros pensam! Se é bom para você , você tem de continuar fazendo o que te faz bem. Tem a Musica "Ratariacore" que a galera sempre gosta de cantar e que é uma letra super aleatória! A galera da banda tava porre e fizemos e tal,  não fala sobre nada! Foi sem querer.

Raiony: Não fala sobre nada, mas a galera gosta!




ANARCOLITICO: Como é a cena que vocês fazem parte e como é aceitação da banda no meio?

Felipe: No inicio, bemm no inicio como é normal com qualquer banda a gente não era tão visível,
começamos a tocar direto, em qualquer evento, com qualquer ouvinte(público), com quem fosse em qualquer lugar. Justamente, porque  nós aceitavamos qualquer lugar, qualquer banda, não tínhamos dessa de: aaaahh a gente é Hardcore, mas a gente não toca com banda de rockzinho."

ANARCOLITICO: Então vocês não tinham preconceito com outras tribos?! Já houve algum preconceito com vocês, como banda?

Felipe: No inicio chegou a rolar um pouco, mas depois começamos a ter mais visibilidade, então começamos a ter uma espécie de  respeito entre aspas, então, hoje em dia  a galera já nos conhece e não rola mais isso. Galera sempre vai nos eventos que tocamos, sempre cantam as musicas, compram os merchs, enfim, fomos ganhando nosso lugar, porque nunca tivemos preconceito, tocávamos em qualquer lugar, falamos com todo mundo e nunca tivemos isso de: “ahhh tu é do metal eu não falo contigo porque sou do hardcore, corta aqui "(risos). Somos amigos de todo mundo, mesmo! Já tocamos com bandas de Black Metal, Thrash Metal, Pop Punk, tocamos com tudo, até hoje é assim, tanto que  diante dos nossos shows dá uma  galera totalmente aleatória, porque fizemos muitas amizades! E, é bom para todas as bandas fazerem isso! Não se privar só no meio do seu estilo musical.


ANARCOLITICO: Vocês já tocaram em outros locais fora de Belém, além de Macapá, fora da cena de vocês?

Felipe: Bom,  saindo de Belém já tocamos no interior do estado, em Cametá,  Mosqueiros, Icoraci e   região metropolitana em geral, mas fora do estado é a primeira vez!

Raiony: Queríamos vim aqui já faz muito tempo, porém nunca dava certo.

Felipe: Sempre quis vim aqui, mas sempre acontecia algum imprevisto, mas finalmente deu tudo certo, o primeiro show foi hoje no Moedor e queríamos tocar no Liberdade ao Rock, mas acabou não rolando,  no Domingo tocamos na casa Fora do Eixo, com a Mental Caos, Hammer e  a Esgoto Surfers que está em turnêr junto com a gente.

ANARCOLITICO: Qual a visão de vocês pós show do Moedor? Como foi?

Felipe: Eu gostei e sinceramente  não esperava  que viesse tanta gente, eu esperava que viesse pouca gente,  não estava criando expectativa nenhuma, pra depois ficar: "porra não veio ninguém"

Raiony: Me surpreendi com os moleques cantando tudo lá!

Felipe: Justamente, eu não imaginava que a galera sabia nossas musicas e tal, não esperava mesmo! Foi do caralho!!!  Deu pra lavar a alma!


Galera Cantando junto!!  
ANARCOLITICO: Finalizando, deixem um recado ao publico que veio prestigiar o evento e planos futuros da Fora Parte.

Raiony: Só tenho a agradecer!

Felipe: Agradecemos pela força e a todo mundo que veio, comprou  o material e também deixamos um recado  para a galera nunca desistir, independente de qualquer desafio, se fulando saiu da banda ou achar que não dá mais. Tem de continar cara, se você tem um objetivo, por mais que seja um objetivo  futil para alguns tem de continuar a tocar e fazer o que você gosta, mesmo se a galera dizer que é ruim e tal o que importa é que tu goste do som que você faz! Futuramente queremos lançar  o CD e continuar em turnêr. Acho que Belém já saturou um pouco, queremos tocar mais e esperamos voltar muitas vezes aqui em Macapá!






 Blog agradece a banda Fora Parte por ceder seu tempo que foi corrido e mesmo assim foram muito educados e receptivos para essa entrevista. E espero que voltem logo as terras amapaense! Se liguem no BandCamp e baixem o som dos caras! o//



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...